"Viver, simplesmente viver, meu cão faz isso muito bem".
Alberto da Cunha Melo

Monday, December 5, 2016

O fim de um argumento

"Jogamos" a massa nas ruas por um justo motivo: o impeachment de Dilma. A massa agora, porém, está incontrolada e incontrolável, servindo aos propósitos dos próprios donos do poder contra os quais, no início, se levantou.
A queda de Renan reforça ainda mais a pretensão do STF de se colocar como o super-ego da nação e dá uma força ainda maior ao perigoso ativismo judicial.
Mas e agora, como controlar a massa? Como chamar de volta, se não a razão, pelo menos ao sono, o gigante babão? Como evitar que o Brasil se torne um cenário apocalíptico de "Rematar Clausewitz"? Como aplacar a sede cega de sangue dos que dançam ao redor da fogueira onde arde o bode sacrificial?
O presidente do Senado agora é petista, o Rede é o protagonista das manifestações e o STF conseguiu esfriar o PL que transformaria em crime de abuso de autoridade de um ministro da côrte a usurpação de competência do poder Legislativo.
Tudo está perfeitamente desenhado. Só nos resta observarmos a debacle nacional, a instauração da oclocracia. Ou rezarmos.


Pensando a coisa girardianamente (não adianta, tudo nesta semana nos remete a Girard), só Cristo pôde desvelar o mecanismo do bode expiatório, quando pediu ao Pai que perdoasse os seus verdugos, pois eles "NÃO SABEM o que fazem". Isso me lembra a conclusão a que chegou o cardeal São Roberto Bellarmino, quando, ao comparar todas as formas de governo em um dos mais belíssimos tratados de ciência política do Ocidente, afirma que só um santo poderia, realmente, conduzir uma sociedade em real e verdadeira transformação.
No final das contas, sou forçado a concordar com Santo Agostinho quando, após estudar toda a retórica e a filosofia, descobre que a verdadeira sabedoria está em Cristo, de quem testificavam as histórias bíblicas que lhe contava a sua mãe, Santa Mônica, e as quais ele, quando jovem, achava uma grande besteira.
Façamos então um côro com Chesterton, reconhecendo que "aquilo que nos é mais familiar é o que temos de mais desconhecido". E isto de mais familiar e estranho pode muito bem ser resumido naquela frase que a nossa avó dizia, e de quem ríamos do que críamos ser uma tolice de velhos: "Só Jesus na causa"!
Era a mais alta e profunda verdade! Só Cristo pode sarar essa nação! Só homens santos podem ser Seu instrumento!

Sobre as manifestações de rua desta semana

A atual massa de desinformados que, respondendo a uma convocação de patifes, crêem agora estar defendendo Sérgio Moro e a Lava Jato contra a ampliação da tipificação penal do crime de abuso de autoridade contra membros do judiciário, é um excelente exemplo de como não basta ser de direita (ou de esquerda), é preciso ser um conservador.
Conservadorismo como aquele entendido por Russell Kirk, não como uma ideologia, mas como um adjetivo. Uma atitude, um conjunto de sentimentos, um estado da mente, um tipo de caráter, uma maneira de olhar para ordem social civil. A postura de desconfiança contra as fórmulas ideológicas prontas e, no caso atual, contra os heróis e salvadores erigidos pela massa.
O conservador, que ontem apoiava a Lava Jato e Sérgio Moro, hoje precisa se colocar no fronte antípoda desta batalha. Hoje, a ameaça que temos diante de nós é o ativismo judicial dos membros do Poder Judiciário, que abusam das suas competências, usurpando aquelas que seriam do Poder Executivo e, principalmente, as do Poder Legislativo. Se ontem o abuso de poder era cometido pelo PT e seus asseclas no âmbito do Poder Executivo, hoje é uma turma do STF que o abusa, ao usurpar o papel político do Legislativo, como quando, essa semana, tentou legalizar o aborto a partir do terceiro mês de gestação, num caso onde a questão nem era o mérito em dissídio.
Como diria um dos nossos maiores conservadores, Bernardo Pereira de Vasconcelos, em seu mais célebre discurso, "hoje, porém, é diverso o aspecto da sociedade. (...) Os perigos da sociedade variam; o vento das tempestades nem sempre é o mesmo; como há de o político, cego e imutável, servir a seu país?"
É exatamente por ser um conservador que hoje digo com convicção: "Abaixo Sérgio Moro! Abaixo o STF! Viva a Câmara dos Deputados! Viva o equilíbrio e a separação entre os poderes!"


Quem acha que um juiz pode fazer qualquer coisa na persecução da justiça não entende o que é a persecução da justiça. Não consigo entender alguém que seja contra o "checks and balances". Não adianta ser contra a "ditadura do Executivo" e defender "todo o poder aos juízes". Afinal, uma juristocracia é ainda pior do que uma ditadura.
Vamos transformar o Brasil na distopia do Judge Dredd ou quê?



São Tomás Moro, o padroeiro dos políticos, em conversa com o seu genro Roper, falando sobre determinado político inglês, de muito mau caráter:
São Tomas: "Precisamos dar a ele o benefício da lei".
Roper: "Você daria ao diabo o benefício da lei?"
São Tomas: "Sim, eu daria ao diabo o benefício da lei. Você não?"
Roper: "Nunca! Eu quebraria todas as leis para destruir o diabo!"
São Tomas: "Mas e, uma vez quebradas todas as leis, se o diabo se voltasse contra você, onde estaria o seu amparo?"


É um claro caso de mecanismo do bode expiatório de René Girard essa crença de que o judiciário e o MP podem tudo na persecução de políticos corruptos, inclusive o abuso de poder e de competências, a espetaculização, etc.
A massa projeta no bode as suas frustrações miméticas e exige o sacrifício em praça pública, num mecanismo inconsciente e selvagem. Não importa o domínio das leis, do devido processo, mas o império da horda, da manada. Alguém precisa morrer para compensar as minhas frustrações.
Isso não é defender as instituições contra os corruptos. Isso é uma forma de corrupção em si. A corrupção do espírito. É a inveja mimética de uma falsa prosperidade da era pré-cristã. É o desejo de se retornar ao animismo, é a saudade da selva.



Sobre o aborto e o STF


Um sociedade que perdeu o respeito pela vida dos seus filhos perdeu o seu próprio sentido de existir!
Hoje tivemos a pior notícia da política brasileira, cuja seriedade só um povo já degradado moralmente é incapaz de perceber. A cultura da morte conseguiu uma vitória no STF, onde uma turma decidiu que é permitido o assassinato de bebês até o terceiro mês da gestação.
Definitivamente, estamos nas mãos de gente sórdida, de psicopatas!


O argumento em favor do assassinato de bebês é o mesmo usado para justificar a escravidão: "você está na minha propriedade, eu posso fazer com você o que eu quiser".


Só a congestão de hipóteses acadêmicas pseudo-científicas pode distrair um estudante desta obviedade: um ato se torna ato, ou seja, deixa de ser potência, a partir de quando não poderá ser outra coisa, a não ser por um acidente.
Um espermatozóide não é vida, mas mera potência de vida, porque se você o deixa seguir o seu ciclo, sem a intervenção de um contato com o óvulo, ele não crescerá e se tornará vida. O mesmo com o óvulo, que inclusive é parte de um outro ciclo, todo ele independente e que marca aspectos específicos do corpo de uma mulher.
Agora, o encontro do espermatozóide com o óvulo forma um zigoto, que inicia um ciclo que será necessariamente um ser humano adulto. O zigoto não será outra coisa, a não ser por um acidente. É um ser humano, não em mera potência, mas em ato!



Atenção você que, neste momento, acredita estar lutando em favor do Moro e da Lava Jato nesta questão da possibilidade de se responsabilizar os juízes e promotores em casos de abuso de autoridade! Por favor, pensem um pouco.
Entenda que o nosso maior problema político (e social, intelectual, jurídico, etc) é o pensamento revolucionário. É um "zeitgeist" que pretende reformar a sociedade pela ação de almas iluminadas, reformistas, "progressistas", normalmente membros da burocracia estatal. Pessoas que concebem um mundo perfeito, "a sua imagem e semelhança", e querem impor este mundo garganta abaixo de todos.
Não é preciso elencar os males deste tipo de pensamento. A História está cheia de exemplos dos resultados nefastos do pensamento revolucionário.
Vamos falar de um exemplo bem recente. Um exemplo de ontem, quando um grupo destes reformadores sociais criaram um precedente para permitir o assassinato de fetos. Um grupo de reformadores sociais, de revolucionários progressistas, instalados no STF.
Abusaram da autoridade e não podem nem ao menos ser responsabilizados por isso. Não podem sofrer um impeachment, porque a figura do abuso de autoridade de um membro do judiciário é muito restrita.
Você pode até achar que um juiz pode abusar da autoridade para prender um político corrupto. Discordo de você, mas entendo que o desgosto com a classe política se entranhou em nossos sentimentos e já está difícil usar a razão.
Mas entenda que o ativismo judicial é muito pior que o ativismo político. Eu temo muito mais o ativismo revolucionário de um ministro Barroso do que o ativismo de um Jean Wyllys. Porque as ações do último podem ser revogadas.
Lutar pela Lava Jato e esquecer os valores que sustentam a nossa sociedade, principalmente do mais importante dele, o direito a vida, é tirar o cisco e deixar a trave.