"Viver, simplesmente viver, meu cão faz isso muito bem".
Alberto da Cunha Melo

Thursday, January 4, 2018

A Abolição foi obra dos liberais?

Leandro Narloch, em uma entrevista ao site Boletim da Liberdade, dá a entender que a abolição foi obra dos liberais. Eu digo "dá a entender" porque, na verdade, toda a sua explanação é confusa e ambígua, uma vez que, enquanto cita nominalmente o Partido Liberal e o político liberal Luis Gama, continua o argumento se referindo ao abolicionismo como uma "reforma liberal", mas a palavra aí já parece adotar um sentido iluminista, mais genérico.
É fato que a grande maioria dos políticos brasileiros daquela época (liberais e conservadores) eram liberais neste sentido mais amplo, pois todos defendiam certos princípios gerais do Iluminismo, como a igualdade de todos perante a lei. E é sabido inclusive que haviam grupos abolicionistas em ambos os partidos.
Mas no conjunto da obra, Narloch pretende, sim, defender o caso para os "liberais" enquanto integrantes do Partido Liberal. Seriam eles, segundo Narloch, a força agente por trás do abolicionismo. O texto é ambíguo, mas a confusão entre os termos parece ser o resultado esperado dos leitores.
Narloch ignora, no entanto, que TODAS as leis abolicionistas foram propostas por gabinetes e políticos conservadores.
Antes, porém, é importante fazer uma outra correção. Narloch afirma que foi a partir de 1860 que surge um movimento popular de intelectuais (liberais, quer fazer acreditar) relevante a abolição. Ora, já em 1810 o rei D. João VI assinou com o Reino Unido o Tratado da Aliança e Amizade, em cujo artigo X buscava restringir o comércio de escravos em terras portuguesas. Além deste, outros dois foram assinados pelo mesmo rei, em 1815 e 1817. Foi aí que começou o processo abolicionista.
Primeiramente, foi um gabinete conservador, "saquarema puro-sangue", o gabinete Olinda-Monte Alegre, que, em 1850, colocou um fim definitivo no tráfico negreiro, pela ação principalmente do seu ministro da Justiça, o senador Eusébio de Queiroz. Por ter sido chefe da polícia imperial e ministro da Justiça, Eusébio tinha conhecimento de todas as rotas do tráfico, e isto permitiu que desse o golpe fatal na fonte que alimentava o escravismo brasileiro.
Depois veio a Lei do Ventre Livre, em 1871, em outro gabinete conservador. Rio Branco, que encabeçava o gabinete, foi o proponente da mesma. Aliás, Joaquim Nabuco conta que D. Pedro II se alegrou com a crise de 1868 porque ela trouxe de volta os saquaremas ao poder e, assim, o imperador voltou a ter os eficientes homens de sua confiança para as tarefas que precisava realizar, inclusive a Abolição.
Em seguida, em 1885, foi o conservador Barão de Cotegipe quem fez passar a lei dos Sexagenários. Aqui, contou com a participação de um político liberal (finalmente!), Conselheiro Saraiva.
Por fim, em 1888, foi o conservador João Alfredo Correia de Oliveira, então presidente do Conselho de Ministros, quem conseguiu a aprovação da Lei Áurea, em 13 de maio.
Mas mais importante ainda, podemos afirmar que foi o artífice da unidade nacional, o visconde do Uruguai, quem mais contribuiu para o abolicionismo quando garantiu, com a lei de interpretação ao Ato Adicional, a centralização político-administrativa do Brasil (tornando eficaz a repressão ao tráfico pela polícia imperial) e a afirmação da soberania do Poder Moderador, que garantiu a força do gesto imperial de D. Isabel.

As Grandes Fundações e a Engenharia Social

É comum a crença de que as mudanças culturais das ultimas décadas são resultado de um processo orgânico e gradual de evolução da sociedade. Nada poderia estar mais longe da verdade. Aristóteles, em sua Física, mostra que todas as coisas possuem quatro tipos de causas, a material, a formal, a eficiente e a final, sendo que as causas às quais mais precisamos nos atentar são a causa final e a causa eficiente. Todas as coisas se movem na direção da sua finalidade e, para existir movimento, ou seja, a passagem da potência ao ato, é necessária a existência de um agente externo que lhe seja causa. Este agente é a causa eficiente. Isto não poderia ser de outro modo, pois se a matéria pudesse se mover da potência ao ato sem uma causa externa eficiente, já o teria feito enquanto potência, e seria potência e ato ao mesmo tempo, o que é impossível.
Foi o materialismo que, na medida em que restringiu as causas dos fenômenos às suas relações meramente materiais, cegou o homem moderno para a percepção destas relações de causas finais e eficientes das coisas. Não é de se estranhar, portanto, o desdém ou a ignorância quanto a estas duas causas no que concerne, como é o caso presente, por exemplo, às mudanças culturais
Este é um erro essencial daqueles que acreditam que as mudanças nos costumes que atualmente assistimos na sociedade brasileira são resultado de uma evolução, no sentido moderno. Nada no seio social ocorre como em uma ordem espontânea ou uma evolução determinística, pois tudo carece de uma causa eficiente. Este texto pretende traçar uma breve cronologia dos principais agentes e eventos históricos que concorreram como causa eficiente para o atual estado de coisas no que tange aos costumes, orientadas principalmente ao controle social e ao crescimento populacional zero.


Origem da Fundação Rockefeller

A origem das grandes fundações remonta a meados do século XIX, quando as condições sociais, políticas e econômicas dos Estados Unidos propiciaram o surgimento de fortunas nunca antes conhecidas pela humanidade. Dentre os donos destas fortunas, se destacaram as figuras de John Rockefeller, no setor petrolífero, e Andrew Carnegie nas indústrias de aço. Sendo ambos oriundos de famílias muito pobres e profundamente religiosos, consideravam como bênçãos divinas as fortunas que adquiriram. Tanto que, em 1898, Carnegie escreveu O Evangelho da Riqueza, onde afirmava o seu compromisso de usar a sua riqueza para promover o bem estar da humanidade, ao mesmo tempo em que exortava os demais magnatas a fazerem o mesmo. Rockefeller, profundamente tocado pelo livro, convida então seu pastor, Frederick Gates, a criar a Fundação Rockefeller. Gates já havia criado a Universidade de Chicago, também financiado pelo milionário.
Sob a gestão do pastor Gates, a fundação se dedicou principalmente a erradicação de doenças e a causas educacionais. Para tanto, começa a financiar pesquisadores de saúde e educação, dando a seguir o aporte financeiro para a aplicação concreta das recomendações advindas das pesquisas.
Ocorre, no entanto, que a Primeira Guerra Mundial veio como uma surpresa e trouxe uma grave preocupação: “de que adianta promover o bem da humanidade se o advento de uma guerra como esta coloca todo o nosso trabalho a perder?”. É então que a fundação decide mudar a estratégia e passa a investir em estudos nas áreas de ciências sociais e psicologia. Era preciso, concluíram seus diretores, gerar uma transformação da estrutura social e da mente humana, a fim de promover a paz mundial. Começavam assim os estudos de engenharia social.


Cecil Rhodes e o Fim das Guerras

Na mesma época, em outra parte do mundo, um outro grupo havia chegado às mesmas conclusões. Tudo começou quando Cecil Rhodes (1853-1902), um milionário das minas de diamantes na África do Sul, vai estudar em Oxford e fica extremamente impressionado com a aula inaugural do professor John Ruskin. Ruskin era um socialista que defendia a restauração dos valores humanos nas artes e no trabalho por meio do estabelecimento de um império anglo-saxão. Neste famoso discurso, Ruskin convocava os filhos da Inglaterra a abraçarem o destino desta “ilha poderosa, fonte de luz e centro de paz para todo o mundo”[1].
Rhodes retorna a África e cria uma bolsa acadêmica para financiar pesquisadores e acadêmicos ingleses ou originários das colônias anglo-saxãs, a fim de que se tornassem os líderes condutores da expansão que traria todo o mundo para sob a égide do império inglês, inclusive buscando o retorno dos Estados Unidos a este império. Em seu Tragedy and Hope, Carroll Quigley afirma que Rhodes foi o criador do Round Table Movement, uma fraternidade de pessoas e organizações que buscava implementar o plano de unir todas as nações de língua inglesa. Após desempenhar um importante papel no fim da Guerra dos Boeres e na guerra tribal de Matabele, ele então dá início aos seus planos de unificar a África, do Cairo à Cidade do Cabo, por meio de uma ferrovia.
A solução do problema da guerra foi o forte mote para Rhodes e seus associados. É famosa a palestra The Prevention of War, de Phillip Kerr, secretário da Rhodes Trust, ministrada no Institute of Politics de Williamstown, Massachussets. Falando para americanos, Kerr usa o exemplo do Velho Oeste para falar de uma organização global dividida em estados soberanos. Segundo ele, no Velho Oeste americano, uma querela entre dois indivíduos teria apenas dois finais possíveis: ou ambos tratariam de fazer as pazes entre si ou acabaria na morte de um deles. Assim é em uma organização global baseada na soberania das nações: uma desavença acabará sempre em guerra, caso a diplomacia falhe. “A causa das guerras é a divisão da humanidade em estados separados”[2], afirma Kerr. A prevenção das guerras depende, então, do fim das soberanias nacionais e da criação de um governo global.


O Surgimento da Ideia do Controle Populacional

Raymond Fosdick, que representara os Estados Unidos na Liga das Nações, assume a presidência da Fundação Rockefeller em 1921. Para Fosdick, o caminho para a paz mundial passava por uma reconsideração da ideia de soberania das nações, na construção de uma estrutura mais econômica do que política de organização global. Em 1915, Warren Thompson havia lançado o seu livro Population, que se tornou muito influente e criou as bases para a teoria neo-malthusiana e a necessidade de um controle populacional.
Começam a surgir inúmeras denúncias contra as fundações Rockefeller e Carnegie, acusando-as de estarem controlando todas as decisões educacionais nos Estados Unidos e minando a liberdade dos professores e pesquisadores. Eram os resultados das influências nefastas das políticas educacionais de John Dewey que começavam a ser sentidas. Dewey tinha sido presidente da League for Industrial Democracy, antiga Intercollegiate Socialist Society, um movimento estudantil ligado ao Partido Socialista da América. Todo o mal que Dewey, reconhecido como o pai da pedagogia moderna, promoveu na educação mundial deve ser objeto de um estudo específico, e por isso sugerimos ao leitor a obra Maquiavel Pedagogo, de Pascal Bernardin.
Após o pedido de demissão do pastor Gates, o Comitê Executivo da Fundação Rockefeller prepara um memorando onde afirma que “a Fundação não deverá apoiar trabalhos nem organizações cujos objetivos sejam a alteração da legislação... a Fundação não deverá buscar obter reformas políticas, econômicas ou sociais... a Fundação não deverá tentar influenciar os resultados ou as conclusões das pesquisas que forem por ela patrocinadas...”. Mas a orientação não dura. Em 1933, o relatório anual da Fundação Rockefeller afirma a esperança da instituição de desenvolver “a genética sobre bases sólidas para possibilitar no futuro a criação de um tipo superior da espécie humana”. Rockefeller II passa a investir cerca de 2% de todo o patrimônio em pesquisa científica no que a própria fundação passou a chamar de Biologia Molecular. Em 1934, John Rockefeller III declara a seu pai que deseja dedicar sua vida principalmente ao controle do crescimento mundial da população. Em 1946, apresenta um projeto, que é rejeitado pelos diretores, para reestruturar a fundação, focando a partir de então na “construção de um mundo em que a paz possa crescer” e em estudos do “comportamento humano dirigido para o entendimento dos fatores que modificam ou controlam o comportamento humano”. No entanto, ele conseguiu realizar esta reestruturação em 1963.
Dois anos após a morte de Henry Ford, Rowan Gaither assume a presidência da fundação Ford, criada por Henry e seu filho Edsel Ford, que até então se dedicava a obras filantrópicas de interesse local. Gaither Rowan se inspira na reforma de John Rockefeller III, afirmando que a Fundação Ford não mais se orientaria para a pesquisa médica ou de saúde pública e que o primeiro de seus principais objetivos será o de estabelecer a paz no mundo. Para tanto, trabalharia para que as nações reconsiderem o conceito de soberania nacional e pelo empoderamento das Nações Unidas. Os meios de ação principais serão, afirma Gaither, uma ampla intervenção na educação e no desenvolvimento dos métodos de controle do comportamento humano. Bernard Berelson, que viria a se tornar o terceiro presidente do Conselho Populacional, se torna diretor da Divisão de Ciências Comportamentais da Fundação Ford.
Em 1952, John Rockefeller III, juntamente com mais 26 especialistas em demografia, entre os quais Warren Thompson, Kingsley Davis e Frank Notestein, funda o Conselho Populacional, a fim de controlar o crescimento mundial da população. A Fundação Ford se torna o principal parceiro do projeto, colocando o controle demográfico entre suas prioridades. Sob a presidência do líder eugenista Frederick Orborn, o Conselho investe na produção de DIU e em centros mundiais de estudos demográficos. No ano de 1954, a Fundação Ford cria o Centro de Estudos Avançados de Ciências Comportamentais na Universidade de Stanford.
Em seu livro World Population Crisis[3], Phyllis T. Piotrow descreve assim a criação do Conselho Populacional:
Em junho de 1952, por sugestão de Rockefeller (John D. Rockefeller III) e sob o patrocínio da Academia Nacional de Ciências, um grupo de especialistas em saúde pública, planejamento familiar, agricultura, nutrição, demografia e ciências sociais se reuniram em Williamsburg, Virgínia.  A conferência recomendou a criação de um conselho internacional que se dedicasse exclusivamente aos estudos populacionais em todos os seus aspectos. Em novembro de 1952, o Conselho Populacional foi organizado, tendo Rockefeller como presidente do conselho de diretores e Frederick Osborn como vice. Seus propósitos declarados eram: Estudar os problemas decorrentes do crescimento populacional no mundo; encorajar e apoiar pesquisas e disseminar como apropriado o conhecimento resultante de tais pesquisas; servir como um centro de coleta e expansão dos fatos e dados em questões populacionais; cooperar com indivíduos e instituições no desenvolvimento de programas; e assumir a iniciativa no vasto campo em cujo agregado constitui o problema populacional.
Apesar de algumas insistências terem se mantido até 1965 de que “os campos científicos e técnicos são aquelas onde a nossa organização pode ser mais efetiva”, o Conselho Populacional foi rapidamente levado a assumir um papel mais ativo, uma vez que seus profissionais estavam entre os melhores qualificados para aconselharem os países em desenvolvimento sobre as melhores ações a serem tomadas. (...) A criação do Conselho teve um impacto também na área filantrópica. Sendo uma organização que evitava e não provocava controvérsia, era mais suscetível ao recebimento de fundos que as organizações militantes do controle de natalidade. As duas primeiras doações da Fundação Ford que superaram a marca de $500.000 foram direcionadas ao Conselho Populacional, que recebeu aproximadamente 80% de todas as doações da Ford relacionadas as questões populacionais.

No mesmo ano de 1952, Margaret Sanger funda a IPPF (International Planned Parenthood Federation), na Índia.
Em 1958, Ansley Coale e Edgar Hoover publicam o livro Crescimento Populacional nos Países de Baixa Renda, patrocinado por Rockefeller e pelo Banco Mundial. O livro muda o foco da questão eugenista e a transfere para a questão populacional. Por adotar um enfoque econômico, a obra se torna um clássico e oferece toda a fundamentação ideológica do movimento demográfico, já que o discurso eugenista pôde ser deixado de lado. Por outro lado, no entanto, este enfoque dificultou a introdução da perspectiva sociológica na questão, que só retornou nos anos 90. Tal perspectiva sociológica tem uma aplicação em escala mundial relativamente simples e imediata a qual, porém, uma vez aplicada, transcende facilmente estas mesmas questões demográficas. Esta aplicação é na verdade um piloto experimental para testar técnicas mais amplas de controle do comportamento humano.
Nos anos seguintes, o Conselho Populacional, sob a presidência de Frank Notestein, instala projetos de controle populacional em dezenas de países da Ásia e da África, evitando cuidadosamente a América Latina e os Estados Unidos. Inaugura também fábricas de DIUs na Coréia, Hong Kong, Taiwan, Índia, Paquistão, Egito e Turquia. John Rockefeller III é responsável pelo lobby com ministros e presidentes destes países.
Na Segunda Conferencia Bienal da FAO (Food and Agricultural Organization) da ONU, em Roma,no ano de  1961, John Rockefeller III discursa sobre os efeitos da explosão populacional. Numa palestra com o título de “População, Alimentos e Bem Estar da Humanidade”, ele afirma que “o crescimento populacional é o segundo problema da humanidade depois do controle das armas atômicas”. O diretor da FAO, R. B. Sem começa então a propagar a ideia de que o crescimento demográfico tenha um impacto negativo na economia dos países pobres. John Rockefeller III começa um lobby pessoal junto ao Papa Paulo VI sobre as questões populacionais e R. B. Sen faz um discurso sobre o tema no Congresso Eucarístico de Bombaim, que conta com a presença pessoal de Paulo VI. Apesar de afirmar na Encíclica Populorum Progressio, em 1967, que “crescimento demográfico acelerado traz novas dificuldades ao desenvolvimento”, no ano seguinte o Papa declara, na Encíclica Humanae Vitae, a imoralidade dos métodos artificiais de controle de natalidade, afastando de uma vez por todas a influência de John Rockefeller III.
A partir do ano de 1965, o Senado americano inicia uma série de audiências públicas para tratar do “problema demográfico”, após ceder ao lobby de Rockefeller e da USAID, a agência americana responsável pela administração da ajuda internacional. Estas audiências culminam na inclusão do Título X no Foreign Assistance Act, que passa a permitir o uso de dinheiro público americano em programas de controle populacional ao redor do mundo. De 1968 a meados dos anos 70, a USAID gastou 1,7 bilhões de dólares para treinar médicos e promover em cerca de 80 países do mundo o aborto clandestino, a esterilização forçada, a anticoncepção e o desenvolvimento e a difusão clandestina do misoprostol. Reimer Ravenholt, diretor do escritório populacional da USAID, declara que seu programa conseguiu impedir, em uma década, o nascimento de um bilhão de seres humanos[4].  No mesmo texto, ele ainda ironiza quem se ilude de que o aborto está sendo promovido por causa da saúde das mulheres, já que o aborto diminuiria para dois anos os mesmos resultados de redução da taxa populacional que levaria cinco anos com a mera utilização da pílula e da esterilização, em qualquer país do terceiro mundo.
Rockefeller III passa então a visitar diversos chefes de Estado, a fim de os conscientizar sobre o problema populacional e solicitar a assinatura de um documento que, em dezembro de 1967, seria lido na Assembléia Geral das Nações Unidas pelo Secretário Geral da ONU e invocado na criação do Fundo das Nações Unidas para Atividades Populacionais (UNFPA), em 1969. Era a Declaração dos Líderes Mundiais sobre População, que, dentre outras coisas, afirma que “a paz permanente depende de modo como o desafio do crescimento populacional for enfrentado”. Dentre os países signatários estão os Estados Unidos, o Reino Unido, a Suécia, a Holanda, o Japão, a Índia, o Paquistão, a Indonésia, e a Austrália. A família Rockefeller inicia um forte lobby junto ao governo americano, no sentido de transformar o problema do controle demográfico mundial em uma questão de segurança interna dos Estados Unidos. É como fruto deste lobby que surge o Relatório Kissinger, aprovado quando Nelson Rockefeller era vice-presidente dos Estados Unidos.
Em 1973, a Suprema Corte americana decide, no famoso processo Roe x Wade, que qualquer lei que proíba o aborto durante todos os nove meses de gestação é inconstitucional em todo o território norte americano. Não deveria haver mais a necessidade de apresentar motivos para o aborto nos primeiros seis meses, sendo que a partir de então, qualquer motivo também seria aceito. No mesmo ano, o Congresso americano, alarmado com o trabalho de promoção do aborto realizado pela USAID, aprova a Emenda Helms, que impede a utilização de recursos de assistência externa dos Estados Unidos para o financiamento da realização de abortos como método de planejamento familiar. Diante disto, os diretores da USAID decidem criar o IPAS, uma organização privada internacional, com sede na Carolina do Norte, que se torna uma das principais promotoras do aborto clandestino no mundo.


Kingsley Davis e Adrianne Germain

Kingsley Davis é um dos intelectuais mais importantes para se compreender os caminhos tomados pelas fundações a partir da década de 70. Após terminar seu mestrado em Filosofia na Universidade do Texas, em 1932 Davis ingressa no programa de pós-graduação de Sociologia da Universidade de Harvard, criado naquele mesmo ano pelo sociólogo Pitirim Sorokin, cujo trabalho aborda principalmente as teorias da diferenciação social, da estratificação social e do conflito social. Para Sorokin, a relação social precípua é a familiar, que tem maior solidariedade, os valores de todos os envolvidos são considerados e onde existe um alto nível de interação. Além do alto nível dos acadêmicos que Sorokin conseguiu agregar no novo departamento, ficaram conhecidos os debates que este teve com outro professor de sociologia em Harvard, Talcott Parsons, criador da teoria do funcionalismo estrutural e profundamente influenciado pelas ideias de Thomas Malthus. Este debate influenciou profundamente o jovem Davis.
Davis foi um dos pioneiros na teoria da transição demográfica, que afirma que o processo de industrialização inicialmente causa um declínio no índice de mortalidade, que leva a um considerável crescimento da população e só tardiamente ocasiona um declínio na taxa de fertilidade, que eventualmente causa o fim do crescimento populacional. Vinte anos depois, ele revisa e melhora esta teoria, analisando as mudanças nas motivações que eventualmente produzem o declínio na fertilidade. Foi ele quem cunhou o termo “crescimento populacional zero” e popularizou a noção de “transição demográfica” e a metáfora da explosão populacional.
Antes, porém, de dedicar seus estudos a demografia social, Kingsley Davis se destacou por vários artigos publicados sobre a estrutura familiar e parentesco, influenciado por outro professor de Harvard, o antropólogo W. Lloyd Warner. Em seu segundo artigo mais importante, publicado em 1937, chamado “Reproductive Institutions and the Pressure for Population”[5], Davis  faz a ousada e pessimista afirmação de que as instituições familiares tradicionais são incompatíveis com a natureza da sociedade moderna. Já neste artigo, Davis afirma que as medidas contraceptivas eram usadas apenas quando as mulheres queriam evitar um aumento da prole, mas que o desejo de limitar o número de filhos não está presente na maioria das sociedades. Este argumento seria posteriormente melhor desenvolvido e passaria a ser o novo fundamento do trabalho do controle populacional. Em um jantar do Conselho Populacional, em maio de 1963, Davis travou uma acalorada discussão com o então presidente do Conselho, Notestein, após este afirmar os benefícios e vantagens do DIU como forma de promover o declínio populacional. As ideias de Davis, no entanto, só seriam aceitas vários anos depois.
Esta discussão, no entanto, estimulou Davis a publicar na revista Science, em 1967, um artigo chamado “Population Policy: Will Current Programs Succeed”, em que afirma que os meios médicos ou políticos não seriam suficientes para promover o controle populacional, pois este requer um trabalho de mudança da própria estrutura da sociedade para que as mulheres não queiram mais ter filhos, o que somente pode ser obtido por especialistas em estudos sociais. Muitos sociólogos argumentavam em favor do DIU, como David Bogue, que publicou um importante artigo na primavera de 1967, onde afirmava que “o desenvolvimento tecnológico no campo da contracepção promove a adoção do planejamento familiar, por parte da população sem instrução, num ritmo acelerado”. Davis discorda, afirmando que o planejamento familiar apenas seria adotado por pessoas que já estavam motivadas quanto a baixa fertilidade; programas de planejamento não reduziriam a fertilidade a não ser que a motivação estivesse presente. Além disso, conforme a sua teoria da transição demográfica, a motivação para a redução da fertilidade só ocorreria após um considerável declínio da taxa de mortalidade e modernização social.
Ainda no mesmo artigo, Davis afirma que “o estudo da organização social é uma especialização técnica”. Para alterar a motivação de ter filhos é necessário “alterar a estrutura da família, o papel das mulheres no mundo do trabalho e as próprias normas sexuais, e não proteger a família e a observância das normas familiares”. Isto não seria trabalho para médicos nem para políticos, ao contrário, trata-se de uma especialização técnica das ciências sociais. Aqui, Davis faz referência ao início dos seus estudos sobre os grupos sociais, colocando o foco do trabalho de mudança social na inversão da importância dos grupos primários e secundários. Uma criança aprende normas, crenças, valores e linguagens nos grupos primários, chamados assim por serem "primeiros" no tempo, na intimidade e na influência. É preciso que sejam grupos de confiança imediata e da qual a criança dependa para a sua sobrevivência. O mais importante deles é a família. Os grupos primários tendem a ser menores em tamanho, mas longos em duração. Funcionam com base numa interação face-a-face e dependem do auto-sacrifício e da lealdade dos membros, que valem pelo que são, não pelo que possuem ou podem oferecer. Grupos secundários são o contrário: são maiores, não dependem do contato direto e não geram lealdade, como numa relação de funcionário para com a empresa onde trabalha, por exemplo. Davis propõe que os grupos primários sejam reduzidos da sua importância.
Em fevereiro de 1968, o Comitê Populacional da Academia Natural de Ciências publicou na mesma revista Science uma resposta contra o artigo de Kingsley Davis, apontando erros em partes da sua análise e, enquanto concordava com outros pontos, afirmava a improbabilidade da execução de suas alternativas no futuro imediato. A seguir, Frank Notestein respondeu também negativamente, agora em nome do Conselho Populacional, afirmando que a melhor solução ainda era prover os serviços adequados àquelas mulheres que já, naquela data, possuíam a motivação para o controle da fertilidade. Afirmava ainda que até o final do século o crescimento populacional não seria mais um problema ao desenvolvimento econômico. A USAID também responde energicamente ao trabalho de Davis, afirmando que ter filhos é algo tão difícil em si mesmo que seria suficiente disponibilizar amplamente pílulas e outros métodos anticoncepcionais para que as mulheres queiram usá-los. Não há motivo para ter que utilizar as teorias da cultura e do comportamento humano para modificar a estrutura da sociedade e os valores para somente então poder controlar a população. Isto exigiria uma quantidade de recursos muito grande que somente serviria para diminuir o muito que efetivamente deve ser usado em atividades diretas de controle da população.
Seja pela aversão causada em seus pares por seu temperamento explosivo ou porque os burocratas e pesquisadores das agências de controle populacional não tinham interesse em direcionar fundos para atividades diversas daquelas com as quais lucravam à época, o fato é que Kingsley Davis não recebeu a atenção devida. Coube, portanto, a uma aluna sua, Adrianne Germain, que segundo ele mesmo teria sido a sua aluna mais inteligente, convencer John Rockefeller III, em uma única reunião, sobre a validade das teorias do seu professor.
Adrianne Germain  se graduou em Sociologia pela Wellesley College, na turma de 1969, a mesma de Hillary Clinton. Ingressa então no mestrado em Sociologia e Demografia em Berkeley, quando então se torna aluna de Kingsley Davis. Se muda então para New York, onde é contratada pelo Conselho Populacional. Conhece, então, Joan Dunlop, que havia sido contratada por Rockefeller III para promover mudanças na estrutura do trabalho da fundação. Dunlop fica impressionada com as ideias de Germain, principalmente quanto a atestação de que a fundação precisava investir na diversidade do seu quadro funcional, e, após citar Germain no relatório que envia a John Rockefeller, a convida a redigir o discurso que ele proferiu na Conferência Mundial da População, em Bucareste, em 1974. O discurso de Rockefeller causou furor entre os especialistas do controle populacional, mas o sinal para a mudança já havia sido dado. A partir de então, John Rockefeller III encontra-se cada vez menos com chefes de Estado e outras autoridades mundiais e passa a promover e a encontrar-se cada vez mais com líderes homossexuais e grupos feministas.
Germain assume a direção da Fundação Ford em Bangladesh, oportunidade que utiliza como um laboratório para o trabalho que foi aperfeiçoando no decorrer da sua carreira. Quando Merle Goldberg, Joan Dunlop e Adrianne Germain reestruturam a IWHC (International Women’s Health Coalition), esta ONG inicia os trabalhos em Bangladesh, financiados pela Ford Foundation, sob o comando de Germain. Constroem clínicas de aborto utilizando aparelhos de regulação menstrual, além de treinarem agentes públicos de saúde para habilitá-los a realizarem abortos. Diante do sucesso deste trabalho, a IWHC divide as ações entre diversos países, inclusive o Brasil.


Onde os megacapitalistas e os marxistas se encontram

O discurso de John Rockefeller III na Conferência Mundial da População, no ano de 1974, em Bucareste, marca a grande mudança no entendimento do magnata sobre qual deveria ser a orientação do trabalho das grandes fundações. É então que acontece o grande encontro entre os grandes capitalistas e os movimentos de esquerda, quando as fortunas que buscavam operar a engenharia social do declínio populacional passam a financiar os movimentos de libertação das minorias.
Uma importante representante desta união macabra é a feminista Kate Millett (1943-2017), uma das mais importantes figuras da segunda onda do feminismo. Grande parte daquilo que o movimento feminista conquistou em termos de legalização do aborto, igualdade profissional entre os sexos e liberação sexual se deu devido ao trabalho de Millett.
Em seu livro Sexual Politics (1970), Millett afirma que, para que a revolução sexual prosseguisse adiante teria sido necessária uma transformação social verdadeiramente radical, a alteração do matrimônio e da família como foram conhecidos através de toda a história. Sem semelhantes mudanças radicais torna-se impossível erradicar os males que derivam destas instituições e que os reformadores julgavam particularmente ofensivos. Uma revolução sexual completa necessitaria o fim da ordem patriarcal através da abolição de sua ideologia que estabelece uma socialização diferenciada dos sexos. A ideologia patriarcal era de fato erodida e o patriarcado reformado, mas a ordem patriarcal social essencial permanecia. Como a maioria das pessoas não consegue conceber uma outra forma de organização social, a única alternativa para a sua perpetuação parecia ser o caos. O problema não é tanto que a ordem social requer a subordinação da mulher, mas que ela requer uma estrutura familiar que envolve a subordinação da mulher. Ademais, o patriarcado é necessário para o sistema familiar.
As semelhanças com as teorias de Kingsley Davis são claras. Em 1990, a Fundação Ford emite um relatório chamado “Saúde Reprodutiva, uma Estratégia para os anos 90”, assumindo de uma vez por todas a perspectiva dos movimentos de esquerda. A fundação estima que, para alcançar o crescimento populacional zero seria necessária uma redução da natalidade para a qual a oferta de serviços médicos poderia contribuir quando muito com cerca de 40%, enquanto que os 60% restantes somente poderiam ser alcançados mediante alterações sociais. Esta motivação de não mais ter filhos não é um problema médico, mas de ciências sociais. O enfrentamento do problema populacional, afirma o relatório, “envolve temas tão delicados como a educação sexual precoce, o status da mulher na sociedade, os julgamentos de valor morais e os valores éticos pelos quais as decisões reprodutivas são tomadas pelos indivíduos e pela sociedade”. Para fazer frente ao problema, a Fundação Ford pretende “combinar sua vasta experiência no campo populacional e a experiência de sua equipe em ciências sociais”. A Fundação irá promover a discussão e a educação sobre a sexualidade humana, em uma abordagem em que “não poderá omitir-se o reconhecimento da necessidade de se promover o aborto”.
O relatório propunha reconceitualizar a saúde e a doença não apenas como estados biológicos, mas como processos relacionados aos modos como vivem as pessoas, introduzir os conceitos de saúde e direitos sexuais e reprodutivos, empoderar as organizações de mulheres para promover a saúde reprodutiva, financiar a promoção de debates e a disseminação de informação para definir áreas de consenso com as políticas de saúde reprodutiva, e promover o reconhecimento do aborto como um direito reprodutivo.
Este foi o primeiro projeto de controle do comportamento humano planejado a nível global, financiado pelas grandes fundações e consubstanciado por intelectuais marxistas, com o aval das agências internacionais.

A partir dos anos 90, a Fundação MacArthur se une aos esforços de implementação do programa da Fundação Ford, escolhendo principalmente o Brasil e o México como alvos preferenciais. No Brasil, Carmen Barroso é escolhida como diretora de seu Programa Internacional de População e Saúde Reprodutiva.
Em 1992, é criado o Centro de Direitos Reprodutivos que atua, por meio da ONU, formando advogados e ativistas na promoção do aborto.
Em 1993, David Rockefeller e parte da elite política e econômica dos Estados Unidos passam a apoiar os movimentos de esquerda, em troca da deposição da luta armada pelo poder e do apoio ao movimento homossexual, à legalização do aborto e à educação sexual liberal.
No mesmo ano, a AVSC International, o IPAS, a International Planned Parenthood Federation (IPPF), a Universidade John Hopkins e a Fundação Pathfinder criam o Post Abortion Care Consortium, a fim de promover os cuidados pós aborto como estratégia de saúde reprodutiva. Os tratamentos pós aborto incluem diversas técnicas de esvaziamento de útero.
Em 1994, as feministas dominam a Conferência Populacional do Cairo, tornando o relatório da Fundação Ford como orientação geral da conferência.
Em 1995, a Conferência da Mulher, promovida pelas Nações Unidas em Pequim, introduz, além dos conceitos já aceitos na Conferencia do Cairo, a ideologia de gênero.
No ano de 1996, em uma conferência secreta realizada en Glen Cove (NY), vários Comitês da ONU estabelecem um pacto com as principais organizações que promovem o aborto para interpretar os direitos humanos reconhecidos pelas nações como contendo implicitamente o direito ao aborto e passam a acusar sistematicamente as nações, principalmente na América Latina, de violarem os direitos humanos reconhecidos internacionalmente por não terem aprovado o aborto.
A partir de 1998, o Comitê de Direitos Humanos das Nações Unidas e outros órgãos de monitoração de tratados internacionais da ONU passam a pressionar sistematicamente todos os países do mundo que ainda não aprovaram o aborto para que legalizem a prática.





[1] RUSKIN, John. Lectures on Art, delivered before the University of Oxford in Hilary term, 1870.
[2] MARQUIS OF LOTHIAN, Philip Henry Kerr; CURTIS, Lionel. The Prevention of War. Yale University Press 1923.
[3] PIOTROW, Phyllis Tilson. World Population Crisis: The United States Response (New York: Praeger Publishers, 1973), pg. 13-14.
[4] WORLD FERTILITY TRENDS, 1974. R.T. Ravenholt and John Chao. FAMILY PLANNING PROGRAMS. Population Report, Series J, Number 2, August 1974 Department of Medical and Public Affairs.
[5] Sociological Review, Vol. 29, No. 3. July 1937.

Saturday, October 21, 2017

Poema - Reformata

REFORMATA

Na noite mais escura ele vem
O germânico bruxo do além
Aos mestres do passado vil desdém
Se insurge, destruindo a unidade.

Tão tarde se inclinou a meditar
Tão pronto ao magistério ignorar
Tão débil teologia a propagar
Vivência pueril da santidade.

Apóstolo do império temporal
Verdugo do presente celestial
Proeza de um ébrio habitual
Ocaso da sã catolicidade.

De firme ódio aos filhos de Sem
De solas que sentido nenhum têm
De lâmina ocamista advém
Enterra enfim a apostolicidade.

(Rodrigo Morais)

Poema - O Leão Imolado

O LEÃO IMOLADO
A Antônio Joaquim Rodrigues Torres, herói na Guerra do Paraguai

"Inimigos à porta, um já matei!"
Brada o jovem e bravo guerreiro
A postos se põem, seus nobres iguais
Indócil rol de heróis brasileiros
Enérgico freio ao dano guarani
Dá-se então com revide certeiro
Encontra entrépido troco fatal
Justa carga de exímio artilheiro

"O inimigo suporta, fogo lhe dei!"
Resiste a flâmula do meu Brasil
Que o vil Solano não quis respeitar
E a pátria conclama escudo viril
E eu nos meus tenros e só desesseis
Atendo ao chamado co'afã varonil
Resisto as batidas de Itapiru
Rejeito a mera existência servil.

"O inimigo me corta, sangue suei"
Não sinto d'adaga profunda cisão
Não sirvo ao medo, tenho u'a missão
Sirvo a Caxias, nobre capitão
Meu grito de fúria conduz meus irmãos
A banda inimiga me avista um leão
Que enquanto avança qual forte trovão
Vai gritando vivas a brasileira nação!

"Ao inimigo a derrota, com Deus me encontrei!
A ilha é nossa, rival derrotado
Os montes de corpos tombados no chão
Sempre cantarão tal grandioso legado
Lembrarão das chagas do seu coração
Heróis que o tiveram por bravo aliado
Honrada a nação, sagrada a vitória
Cujo fiador é o cordeiro imolado.

(Rodrigo Morais)

Poema - Não Reclame, É Arte

NÃO RECLAME, É ARTE
Clã de artistas decadentes
Apóstolos de Belzebu
Suas almas deprimentes
Fazem arte com o cu
Não importa a perversão
Não se pode reclamar
Se questiona a aberração
Diz ser ódio popular
Tanto ataque ao inocente
Que é difícil compreender
Do vigia o fogo ardente,
E o artista a perverter
O pai leva ao tarado
Por meros vinte reais
Mas nem isso é comparado
Com a sanha dos globais
A Lavigne, nos seus treze
Sentiu o pau do velho imundo
Seu pedófilo, que se preze
Faz de si regra pro mundo
Vale-se da vil defesa
De uma gangue de atores
Ao infante têm por presa
No discurso, só amores.
Caetano, depravado
Tem só merda na cabeça
De maconha entabocado
Não há mal que reconheça
Caetano, desencana
Deste alvitre doentio
Nem com global caravana
Isso espalha no Brasil.

Thursday, October 12, 2017

Aristóteles e os Libertários

Os libertários consideram que a escassez dos bens é a causa dos direitos de propriedade, de modo que a função social e moral dos direitos de propriedade é a prevenção de conflitos acerca destes bens. Se baseiam em Hoppe, para quem “apenas porque existe escassez existe um problema de formular leis morais; se os bens são superabundantes (bens ‘livres’), nenhum conflito quanto ao uso dos bens é possível e nenhuma coordenação de ação é necessária”.
O que diria Aristóteles sobre isso?
Em primeiro lugar, para o estagirista é incorreto atribuir uma única causa às coisas, pois a todas as coisas podem ser atribuídas pelo menos quatro causas, quais são material, formal, eficiente e final. O fato da preservação da posse dada a escassez dos bens segundo as necessidades humanas pode ser apontado como uma causa final dos direitos de propriedade, mas outras causas podem e devem ser atribuídas, como por exemplo a própria existência da ordem natural-cosmológica percebida, como correspondência do direito natural, sendo uma causa formal.
Hermann Hoppe, na verdade, extrapola a noção de Carl Menger sobre as razões econômicas do direito de propriedade. Considerar aquelas como as únicas causas da moral ou da sociabilidade humana é também hipostasiar uma causa extrínseca, ignorando causas intrínsecas várias. O próprio Aristóteles demonstra – e aqui não precisamos analisar os corolários ainda mais profundos, posteriormente explicitados por São Tomás de Aquino – que “a natureza arrasta instintivamente todos os homens à associação política” (A Política). Em seu “estado de natureza”, o homem é um zoon politikon, sendo esta uma causa intrínseca que não pode ser ignorada. Outras causas são, ainda, o cultivo das virtudes e o da sabedoria.
Não é possível considerar que o estado de natureza do homem seja o conflito, seja ele por razões de “inveja”, como queria Girard, ou de “escassez de bens”, como quer Hoppe, pois desta forma o natural e comum seria a existência humana como a das aves de rapina e o estado de sociabilidade seria uma exceção, não a regra. E isto não é o que se observa.

Ciranda Emebelista

CIRANDA EMEBELISTA

Ciranda, cirandinha
Vamos todos cirandar
A ciranda MBL
Que ao Brasil vai reformar

Neste doze de outubro
Vamos todos celebrar
O poder da meninada
Que iremos instalar

Já falava o velho Nelson
Do império juvenil
O desprezo ao antigo
Se instalando no Brasil

Não importa que eu seja
Deformado emocional
Parricídio, cá pra nós
Tem apelo nacional

Adoleta, le peti peti petá
Lescafé com chocolá
Adoletá
Puxa o rabo do Lulá
Quem saiu? Dilmá!

So-mos jo-vens
Não quisemos registrá
Por detrás veio o Fro-tá (ui!)
Somos jovens
Puxa o rabo do Lulá
Quem saiu? Dilmá!

Por isso, Tio Dória
Entre dentro desta roda
Faça o teste do sofá
Que logo cê tá na moda.

Neste doze de outubro
Vamos todos celebrar
O poder da meninada
Que iremos instalar

Abaixo a vida adulta
E os adultos traidores
No governo Peter Pan
São só docinhos e flores

CRUJ! CRUJ!
Nós somos ultra-jovens e merecemos respeito!

Poema - Putrefação

PUTREFAÇÃO

Acreditem, oh gado!
Eis o vosso profeta
Cujo nobre prelado
Novo mundo arquiteta

Desde lá edifica
Dos mais baixos valores
A qual fundação rica
Vem bancar seus favores

Para tanto carece
Este mundo alquebrar
Ao que nem adolesce
Ao tarado entregar

Então diz ser doença
Tal pecado mortal
Pra escapar da sentença
De um juízo penal

Mas depois é desfeito
Já não é enfermiço
Clama agora o direito
E nos tem submissos

E então não se pode
Falar em enfermidade
Liberdade ao bigode
Pra fazer crueldade

Sofre os puros infantes
A nova ideologia
A mentira ultrajante
Que ao humano arrepia

Dos valores de baixo
Ele tudo constrói
Mundo em novo eixo
A pureza destrói

Que terrível cenário
O reino da aberração
Monstros cercam o berçário
Infernal postilhão.

Alguns haikais

Quem adivinhar poderia
O amigo prafrentex
Defendendo a pedofilia?



Pedófilo apologeta
No Brasil é portento
De platéia analfabeta



Fedor e baderna
Me saem da privada
Fiz arte moderna



O petista rancor
Evanesce em Aécio
Cerejeira em flor

Poema - Favo de Mel

FAVO DE MEL

Diga adeus a São Bernardo
Ou aos valentes cristeros
De quem escudo galhardo
Ouviu o santo cancioneiro

Novos ventos se aproximam
Arejando o episcopado
Mídia e dioceses mimam
O vigário afeminado

Ele é sensível e meigo
Apesar de bem parrudo
Gosta de vestir-se leigo
Auto-ajuda é o conteúdo

De decotes bem cercado
"Luciano, abra o olho!"
Com globais sempre abraçado
Moderninho, o pimpolho

Noiva toda molhadinha
No casório celebrada
A global empolgadinha
A platéia abismada

Só contempla bem o céu
Pra ver se de lá vem chuva
Apascenta só pitéu,
A cocota e a viúva

A batina esconde os "peito"
Coisa sexy de abalar
Para o Instagram tem jeito
Quero ver missa rezar.

Se a tristeza lhe invade
A esperança não é Cristo
Crise de ansiedade?
"Um divã ou eu desisto!"

"Tanta dona neste mundo
Tanto tempo para o céu
Por aqui eu me abundo
Dou-lhes meu falo de mel".